Top 10 entre os abusos dos bancos

desespero1 – Empurram “contrato de adesão” nos pactos com clientes.

Contrato de adesão é aquele o qual já se encontra pronto e no momento da aquisição de um serviço ou produto fornecido pelo banco o mesmo apenas acrescenta os dados do cliente e este é obrigado a assiná-lo sem ter o direito de contestar ou modificar as clausulas abusivas nele contidas, agredindo assim o Código de Proteção e Defesa do Consumidor.

2 – Incluem cláusulas “mandato” nos contratos assinados.

Clausula de Mandato é apenas mais uma abusiva entre tantas contidas no Contrato de Adesão e seria através desta que o consumidor concede plenos poderes ao banco com o qual pactuou contrato, como por exemplo, efetivar débitos do saldo da conta corrente, fazer aplicações com o dinheiro da conta em investimentos, enfim, clausula de mandato é uma espécie de procuração que o consumidor correntista sem opção concede ao seu banco.

Leia o texto na íntegra »

Nem todo devedor pode ser considerado caloteiro

A legislação brasileira determina que o nome de um devedor não fique por mais de 5 anos nas listas restritivas dos órgãos de proteção ao crédito pela mesma dívida, isso significa dizer que, “teoricamente” a dívida caduca, porém, ao contrário do imaginado, o consumidor inadimplente não fica livre desta de forma definitiva. Leia o texto na íntegra »

Juro do Cartão de Crédito: 403.5% ao ano, 33.6% ao mês, 1.12% ao dia

No último dia 23 de Setembro/2015 foi divulgado em vários veículos de informação que os juros médios cobrados pelos “bancos” nas operações com cartão de crédito rotativo voltaram a subir em agosto e atingiram a marca de “403.5% ao ano”, isso significa “33.6% ao mês” e “1.12% de juro cobrado por dia”. – O fato se dá por que quando o cliente entra no crédito rotativo a empresa o considera inadimplente e nesta condição a regra é esfolar e aplicar juros, multas e encargos diversos ao livre arbítrio por parte dos bancos que financiam os saldos devedores das faturas dos cartões de créditos dos consumidores.

Leia o texto na íntegra »

Cartão Nubank – Juro pela metade e isenção total de anuidade

Nubank

Uma Nova opção de cartão de credito e concessão de empréstimos pessoais com juros mais justos começam a circular no Brasil, trata-se de produtos revolucionários oferecidos por empresas já com fatia de mercado nos Estados Unidos e Europa concedendo opções de credito ao cidadão consumidor que, certamente, aqui, não precisarão de muito esforço para fazer sucesso diante do cenário abusivo e desigual cultivado por empresas tradicionais já instaladas há décadas no cenário brasileiro de consumo bancário e de cartões de crédito, setor este com formato de capitania hereditária financeira.

A novidade traz a fonte da concessão de crédito através da internet, com dispositivos práticos e seguros, oferecendo a venda de crédito de forma online onde o cliente pode escolher as diversas modalidades disponíveis, – de pessoa para pessoa, – em grupos de pequenos investidores, Leia o texto na íntegra »

Petição para adesão de assinaturas…Assine!…Faça sua parte!..

Petição para adesão de assinaturas em beneficio da implantação de uma Reforma ampla no Sistema Financeiro Nacional Brasileiro.

Exerça cidadania, valide e não deixe passar em branco a sua condição de consumidor cidadão. Vamos mudar o cenário das relações de consumo com os bancos agora. Nossa geração precisa fazer história, não deixe a responsabilidade para seus filhos! Precisamos de 1 milhão de assinaturas. > Assine a petição para Reforma no Sistema Financeiro Nacional Brasileiro. Leia o texto na íntegra »

Para quem está devendo para um banco e quer negociar:

Faça uma carta em 2 vias e entregue ao banco(cobre recibo), manifestando o interesse em pagar sua dívida, porém, apenas o que deve, de fato, – “o valor principal com acréscimo de 1% de juro de mora mais 2% de multa ao mês e nada mais – (Parag. 1. Inciso V  Art. 52 – Lei Federal 8078/90-Código de Proteção e Defesa do Consumidor)”, – eliminando juros abusivos, taxas, multas e encargos diversos que incham de forma desleal sua dívida e Leia o texto na íntegra »